Os bebés têm cólicas?

Last modified date

Comments: 0

Harvey Karp é professor na Universidade de Medicina da Califórnia do Sul e especialista em desenvolvimento infantil. É também o pediatra mais reputado dos EUA graças a livros que ensinam técnicas para reduzir o choro, aumentar horas de sono e interromper birras dos bebés defende que:

Regra geral, atribuímos às cóli­cas todas as dores, ansiedade e mal-estar dos bebés: se têm a fralda limpa, a barriga cheia e continuam a berrar, culpamos as cólicas. Durante décadas, médicos e avós aconselharam as novas mães a ter cuida­do com o que comiam, mas o facto é que não há diferença na quantidade de gases que bebés calmos e agitados têm no auge do choro. E esse choro típico começa às duas semanas e termina aos três ou quatro meses de vida, melhora quando os bebés são embrulhados e embalados, além de que em muitas culturas – a balinesa é uma delas – os bebés nunca têm cólicas.

Após a leitura completa desta entrevista, que podem ler aqui, pus em prática o ‘embrulhar’ a Caetana. Já o fazia antes mas não para a acalmar. Fazia-o para que dormisse melhor, por exemplo.
Passei a fazê-lo quando está nervosa e a verdade é que a acalma imenso. Assim:


Depois foquei-me na questão de haver culturas em que não existe sequer tradução para a palavra cólicas e pensei que, se não há tradução noutras culturas, talvez na nossa empregássemos mal a palavra e, provavelmente, o problema dos nossos bebés seria outro e o que a Caetana tinha não eram cólicas.
E a verdade é que deixou de ter [ou nunca teve]!
Dá puns, claro que dá e nem sempre com facilidade mas já não chora desalmadamente como antes.
Passei a perceber que interpretava mal o choro da minha filha associando ‘sempre’ a cólicas, desde que tivesse a barriguinha cheia e a fralda mudada, quando podiam ser birras de rabugice e/ou sono. Desde aí deixei de notar que tivesse cólicas.
Se o mal dela fossem cólicas, não passariam com um rolinho-de-amor [nome com que batizei a imagem acima].
Fiz uma pesquisa rápida sobre o assunto e encontrei várias vezes a seguinte frase:

Cólica é um termo geralmente usado para descrever o choro incontrolável em bebés saudáveis.

No meu caso, achando que a Caetana tinha muitas cólicas, comprámos um leite Anticólicas. Passou a ter prisão de ventre – o cocó passou a ser mais duro, saía um só como o nosso e, na maioria das vezes, tínhamos de a ajudar a fazer. E chorava na mesma! Entretanto este leite era também mais espesso e custava-lhe mais a beber.
Voltámos ao leite inicial e, com ele, voltaram as ‘cólicas’ [pensávamos nós], até eu ler sobre o assunto e começar a perceber que o problema dela não tem esse nome.
A Caetana fica rabugenta todas as noites, faz sempre birra antes de dormir.
Esta birra está relacionada com os estímulos que recebe durante o dia e com o seu estado de cansaço. Já houve dias com imensos estímulos em que o cansaço era tanto que [quase] não houve birra, bem como outros com poucos estímulos e birras gigantes por estar pouco cansada.
Sim, também já li e percebi que acontece mesmo, que quanto mais sono os bebés têm mais rabugentos ficam por ‘lutarem’ contra o sono. O corpo pede para dormir mas a cabeça, curiosa, não quer e depois ficam rabugentos, nesta luta entre a necessidade de dormir e a vontade de ficar acordados.

Afinal os bebés têm cólicas ou nós pais é que associamos todas as dores deles a esse nome?

Carolina Valente Pereira

Gosto de ler, escrever, partilhar factos, aventuras, opiniões e brincadeiras

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Post comment